A gente, ou talvez este seja um pecado só meu, tem mania de não dar a devida importância ou grandiosidade àquilo que está diante de nós. Como se buscássemos um constante extraordinário que acontece, mas que não temos olhos para enxergar. Neste esquisito quarto de um hotel barato em Chiapa de Corzo, que tem o nome de Los Angeles e automaticamente conectamos aos Estados Unidos, apesar da língua em que é grafado, eu leio Veríssimo, o pai, e Thiago lê Bolaños. Ali, logo ali, ao lado, há festa pela cidade. Ocorre o Festival de Parachicos; festa interessante, linda, mas de história no mínimo interrogável do ponto de vista ético. Mas já não mais é o que já foi e, agora, porque é noite, homens travestidos desfilam e dançam em blocos circulantes. Tambores, flautas que se tocam com uma   mão, e maracas marcam um som repetitivo, mas agradável. Ao centro alguém carrega o santo. Também porque é noite, bebem e fumam – e não seguem para a Igreja, como ocorre durante o dia. Há também bonecos gigantes que passam batendo os braços nas pessoas. Lembra muito o carnaval de Olinda, Thiago me diz. Eu nunca fui à Olinda no carnaval, mas penso que esta festa talvez possa dar ideia do que era o carnaval antes das anfetaminas.

Estamos aqui, neste quarto de hotel, em uma pequena cidade do estado mais pobre do México – a primeira cidade – e tudo parece ter um estranho ar de normalidade, mas a verdade é que é mágico! E demoramos a nos dar conta. Eu só reparo nesta nossa-minha incapacidade quando apenas depois de ouvir por pelo menos cinco vezes uma mesma música de Tom Zé, ler a letra outro par e uma coluna de jornal interpretando o álbum de que faz parte, é que começo a enxergar um pouco da beleza improvável de suas palavras – e da beleza improvável do que acontece lá fora – e da beleza improvável do que acontece aqui dentro. Tom Zé é improvável e belo. Entende as palavras e sabe dizê-las por caminhos ainda não desbravados porque enxerga o mágico. “Escuta aqui: (…) Vi, vi, vi!”, diz. E assim me faz vê-lo e me faz ver. Faz-me escutar com o pensamento.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s