Tangerinas

Eu tinha recém feito 5 anos quando minha bisavó, que morava em Moscou, foi nos visitar em Joinville, no sul do país, em momento próximo ao nascimento do meu primeiro irmão, quem eu ansiosamente aguardava. É provável que por isso eu tenha tantas recordações dessa época. A babushka permaneceu conosco durante algum tempo e, dias…

Copacabana 591

Ao que tudo indicava, o dia de hoje seria um tédio só. Uma tristeza existencial.   Em alguma das ruas de Copacabana existe o número 591. Mas não sei qual. Não é na Barata Ribeiro, nem na Nossa Senhora de Copacabana, tampouco na Siqueira Campos. Já estava vinte minutos atrasada para o pneumologista, quando descobri…

Boipeba em uma crônica

Boipeba é uma ilha na Bahia próxima a Valença. Um dos lugares de praia mais lindos que já fui. Fica ao lado de Moreré, que já é outra praia, mas é continuação. Entre Moreré e a Praia da Cueira, em Boipeba, há um rio. É preciso esperar as marés para atravessar para o lado de…

É sempre igual

A partir de quando a repetição se torna a mesma coisa? Quando criança, assim como atualmente, os caminhos do cotidiano se repetiam. Eu fazia sempre o mesmo caminho de casa à escola, da escola para casa. Exceto pelas vezes em que eu “inventava moda” e testava novos rumos – normalmente eu me perdia nessas experiências…

O Ronco

Dormir com alguém pode ser uma atividade bastante difícil, a depender do que se sente pela outra pessoa e do seu próprio estado de espírito. Lembro que quando criança ia dormir na casa de uma grande amiga, onde era possível ouvir o ronco de seu pai a dois quartos de distância. E sempre me perguntava…

Medo de voar

Era mais uma sexta-feira de retorno para casa e eu estava com medo de voar. Então resolvi escrever, na tentativa de me acalmar. Rabisquei quase todas as páginas em branco do livro que carregava. Parecia estar escrevendo para alguém, mas eram apenas palavras sem respostas. O avião decolou e no horizonte se avistava um corpo…

Tomorrow Never Knows

Esta noite algo muito estranho aconteceu: dormi sem em nenhum momento acordar com os nervos enfurecidos. Foi profundo, foi lindo. Não me recordo de nada. Acordei apenas pela manhã, impelida pela necessidade fisiológica. Abri os olhos, fitei primeiro a almofada colorida que afastei para o lado direito antes de dormir; virei-me para o teto e…

Outra Eu

Uma semana antes do carnaval perdi todas as fotos da minha vida. Todos os vídeos. Quase todos os textos que escrevi. Foi um soco no estômago, como se alguém tivesse me roubado a memória. A primeira reação foi de desapego. Não liguei. Em seguida, passei uma semana em prantos. A terceira reação foi me perguntar…

De Branco

Branco é sinônimo de todo, união. Não pode simbolizar ausência, porque é a presença de todas as cores. Branco a todos ilumina, mas não a mim. Branco sequer me notou. Mas não o culpo, nem eu própria consigo notar o que há por debaixo das poucas e quase inaudíveis palavras que profiro, e dos olhares…

Quem é?

Isabel Cristina é do signo de gêmeos e fala por duas pessoas, Isabel e Cristina. Funciona mais ou menos assim: enquanto Isabel está pensando, Cristina está transformando esses pensamentos confusos em frases diretas e conclusivas. Isabel, tadinha, ela tenta, mas às vezes faz perguntas demais, pensa demais e resolve de menos. Isabel é questionadora, mas…